Reformas vão ter cortes de 25%

Cortes de 20 a 25 por cento nas pensões. Quem o defende é a OCDE, no seu relatório de ontem, apresentando as reduções nas reformas como uma tendência inevitável para os seus 34 membros, em que se inclui Portugal.

 

Em conta estão, entre outros factores, o aumento da esperança média de vida, indicador crucial no cálculo da sustentabilidade da Segurança Social. Mais: quem entra hoje no mundo do trabalho só vai receber uma pensão correspondente a metade do salário quando atingir a idade da reforma.

No relatório, a OCDE recomenda ainda o aumento da idade da reforma dos actuais 65 anos para 67 e 69 anos, o que tem sido recusado pelo Governo, que prefere criar tectos máximos no valor das pensões. Fonte do Ministério da Segurança Social afirma ao CM que "o Governo já afastou em diversas ocasiões qualquer cenário de aumento da idade da reforma".

Os estudos em Portugal vão assim para o plafonamento das pensões, com um limite máximo para o que vão receber os futuros reformados. Oficialmente, o Ministério da Segurança Social prefere não comentar a medida proposta pela OCDE de criação de planos de pensões privados para garantir a sustentabilidade do sistema público, ainda que o ministro Pedro Mota Soares já tenha dito que é uma questão que merece ser estudada.

O economista e sindicalista Eugénio Rosa afirma ao CM que o problema é o desemprego e não o aumento da idade de reforma.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/


publicado por adm às 23:15 | comentar | favorito