Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Reforma

Tudo sobre a reforma, aposentação e reformados...

Tudo sobre a reforma, aposentação e reformados...

Reforma

31
Out13

Gerir as poupanças depois da reforma

adm
O aumento da esperança média de vida permite-nos acreditar que depois da reforma teremos ainda, pelo menos, uma década pela frente. Por isso, é fundamental que mantenha a gestão das suas poupanças mesmo depois de terminar a sua vida activa. A aposta deve recair em produtos com maior liquidez e baixo risco.

A chegada à reforma não deverá significar o fim da gestão das suas poupanças, pois não sabe quantos anos ainda lhe estão reservados depois de deixar de trabalhar. Terá de garantir o melhor nível de vida possível. Por isso, se não necessitar imediatamente de todo o montante que foi poupando, continue a fazer uma gestão activa e pode até canalizá-lo para um plano financeiro pós-reforma. Algumas instituições financeiras já disponibilizam este tipo de planos, mas pode também optar por receber o montante que foi poupando sob a forma de rendas mensais vitalícias. 

Como sempre, a gestão das suas poupanças deve ser adequada às suas necessidades de liquidez, aos seus objectivos e também ao pouco tempo que tem para recuperar de fortes perdas. "À medida que o momento da reforma se vai aproximando, ou mesmo já em período de reforma, o risco nas carteiras deve ser diminuído, dado que o prazo de investimento remanescente é também cada vez menor", explica Rui Castro Pacheco, subdiretor de investimentos do Banco Best.

Uma posição partilhada por António Ribeiro. O economista da Deco Proteste defende que, "nesta fase, é preferível ter o dinheiro aplicado em produtos mais líquidos e com baixo risco". São exemplos destes produtos os depósitos a prazo, os Certificados de Aforro, ou até mesmo os seguros de capitalização que, no entanto, requerem o pagamento de comissões.

 

António Ribeiro lembra que existem contas poupança-reformado que estão isentas da cobrança de impostos até um determinado montante (equivalente a três salários mínimos) mas que oferecem uma taxa de juro inferior àquela que é praticada nos tradicionais depósitos prazo.

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D