Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Reforma

Tudo sobre a reforma, aposentação e reformados...

Tudo sobre a reforma, aposentação e reformados...

Reforma

19
Ago13

Reforma aos 66 anos e IRC dividem PS

adm

A sessão legislativa pode abrir com novas divisões entre os socialistas. Na questão do aumento da idade da reforma para os 66 anos – justificada pelo Governo pela insustentabilidade da Segurança Social – o deputado Pedro Marques não aceita os argumentos que aparentemente convencem a direcção do PS. "Não acompanho esta medida. É um aumento artificial, uma habilidade que não se sabe onde pode acabar e destrói a confiança básica das pessoas".

Em sentido oposto, Óscar Gaspar – negociador pelo PS no gorado acordo de salvação nacional e conselheiro económico de Seguro – não previa objecções de princípio. "Se se conclui neste momento que há parâmetros desse factor que devem ser actualizados, o PS obviamente que é favorável a esse ajustamento, ainda que daí decorra que a idade da reforma passe para os 66 anos", afirmou em entrevista ao SOL, antes da entrega da proposta do Governo aos sindicatos. Desde aí, o PS nada disse sobre o documento.

Pedro Marques, que enquanto secretário de Estado da Segurança Social do último governo do PS negociou a reforma da Segurança Social, rejeita a necessidade alterar os factores de sustentabilidade: "O Ageing Report de 2012 [da Comissão Europeia] diz que o sistema é sustentável". Acresce que, em seu entender, o Governo vai com esta medida provocar efeitos recessivos na economia. "Não serão só as pessoas à beira da reforma as afectadas, os jovens que podiam substituir os idosos perdem essa expectativa".

Desconfiança quanto aos custos

Outra reforma do Governo – a prometida baixa do IRC para 17% até 2018 – tem bases para convencer a direcção do PS. António José Seguro, no debate da moção de confiança do Governo, prometeu "diálogo", numa "reforma estrutural" para o país. Mas a ala esquerda desconfia dos custos. "Sou frontalmente contra a descida de taxas de IRC, sobretudo se esta descida for financiada por cortes na despesa pública. E também não concordo com a descida do IRC sem que haja uma descida do IRS e do IVA", diz ao SOL João Galamba.

Há mais quem se oponha. Pedro Nuno Santos, logo a seguir a Passos Coelho ter defendido a medida na AR, veio opor-se a uma "redução cega e transversal" que pode levar a perdas orçamentais de 1.600 milhões de euros. "Dá-se um bónus aos sectores protegidos da concorrência internacional". Esse dinheiro poderia ser usado para "uma estratégia de desenvolvimento industrial e agrícola do país", escreveu em artigo de opinião no jornal i.

fonte:http://sol.sapo.pt/i

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D