Reformas de alguns políticos são despachadas mais rápido

Em média, a Caixa Geral de Aposentações (CGA) demora um ano a despachar as reformas dos portugueses, mas há um pequeno grupo de pessoas que vê esse processo resolvido com mais agilidade: os políticos. A notícia é avançada pelo jornal i.

 

Jaime Gama, antigo presidente da Assembleia da República, é um deles. O político do Partido Socialista enviou para CGA o requerimento de pensão a 9 de maio de 2011 e no dia 21 do mês seguinte tinha o processo despachado.

Jaime Gama foi várias vezes eleito deputado do Partido Socialista à Assembleia da República, primeiro pelo círculo eleitoral dos Açores e a partir de 1983 por Lisboa. No Parlamento, foi presidente das Comissões dos Assuntos das Regiões Autónomas da Assembleia Constituinte (1975-76), Negócios Estrangeiros (1976-78), Defesa Nacional (1985-91), Assuntos Europeus e Política Externa (2002-05). Foi ainda Ministro da Administração Interna (1978), dos Negócios Estrangeiros (1983-85 e 1995-2002) e de Estado (1995-2002). Na fase final da sua carreira como político, foi presidente da Assembleia da República e membro do Conselho de Estado, entre 2005 e 2011. A sua reforma foi despachada por 4808,11 euros.

José Magalhães, também do PS, viu no mesmo dia a sua reforma antecipada ser despachada por 2196,45 euros, apenas um mês depois de fazer endereçar o pedido à CGA. O político, que passou pelo Partido Comunista Português, pelo qual foi deputado entre 1983 e 1990, foi vice-presidente da bancada do PS, depois de integrar as listas do partido como independente a convite de Jorge Sampaio.

Em 1999, aderiu formalmente ao PS. Foi vice-presidente desse grupo parlamentar entre 1992 e 2005, com exceção do período em que foi Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, entre 2000 e 2002. Em 2009, foi nomeado por José Sócrates Secretário de Estado da Justiça e Modernização Judiciária.

Entre os trabalhadores e deputados da Assembleia da República aparentemente beneficiados pelo despacho célere das reformas, destaque ainda para Maria do Rosário Boléo que pediu reforma a 11 de outubro de 2011 e viu-a despachada no dia 29 do mês seguinte; Teresa Xardoné que fez o pedido em agosto de 2009 e que o viu deferido em novembro do mesmo ano; Manuel dos Santos, que pediu a reforma em julho de 2009 e no mesmo mês obteve-a; Jorge Strecht Ribeiro que tratou da aposentação em maio de 2011 e se reformou em setembro de 2011.

fonte:http://noticias.sapo.pt/

publicado por adm às 13:49 | favorito