Esperança de vida corta pensões mais 2% ao ano

O corte das pensões por via do factor de sustentabilidade vai ser mais acentuado do que estava previsto. Uma comparação das projecções da esperança média de vida que integram os Orçamentos do Estado para 2011 e 20112, indica que aquela penalização sofrerá uma revisão em alta da ordem dos 2% ao ano. Assim, quem se aposentar em 2015 deverá contar com um corte de cerca de 7,6% em vez de 5,5%.

A esperança média de visa aos 65 anos vai ser mais alta, segundo apontam as projecções que integram um anexo ao relatório do OE2012, e isso irá fazer com que as pessoas recebam uma pensão de valor mais baixo à medida que se forem reformando. Cálculos efectuados pelo DN tendo por base as projecções do OE2011 e as do Orçamento para 2012, indicam que o peso do factor de sustentabilidade vai subir de 8,3% para 10,4% em 2020, chegando aos 20% em 2050 (mais 1,8 pontos percentuais).

Desde 2007 que o factor de sustentabilidade indexa o valor das novas pensões à esperança média de vida e apenas um reforço das contribuições ou prolongamento da vida activa podem anular aquele efeito. Na prática isto significa que quem queira reformar-se em 2015 e pretende receber a reforma por inteiro terá de trabalhar pelo menos mais 8 meses para além dos 65 anos, caso tenha uma carreira contributiva de 40 anos - se tiver menos de 24 anos de descontos, já terá de trabalhar por mais dois anos.

Além do factor de sustentabilidade outras mudanças no sistema de pensões, efectuadas nos últimos anos, têm provocado uma descida do valor médio das reformas, nomeadamente as alterações às regras de cálculo. A isto junta-se a cada vez mais provável (ou já efectiva) quebra do rendimento por via de cortes salariais ou de subsídios.

Terão sido todos estes factores que levaram o primeiro-ministro a estimar que daqui a 20 anos o valor das reformas seja cerca 50% do que eram em 2007. Citado pelo Correio da manhã, Pedro Passos Coelho admite que o valor das sua reforma, se se aposentar daqui a 18 anos (quando tiver 65) "será sensivelmente metade daquela que existia em 2007".

A esperança média de vida além dos 65 anos é anualmente calculada pelo Instituto Nacional de Estatística. Em 2011 foi fixada em 18,62 anos, o que significa que cada português vivem em média até aos 83,62 anos de idade. Nas projecções que acompanham o relatório do OE2012 estima-se que a esperança de vida ascenda aos 84,35 anos, quando as projecções anteriores apontavam para 83,90.

Se o actual quadro de expectativas se mantiver, em 2030, quando cada português viverá em média mais 20,89 anos para além dos 65, o que significará um acréscimo de quatro meses face ao indicado no OE2011.  

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 18:21 | comentar | favorito