Há pensionistas com cortes de 80% no subsídio de férias

O pagamento do subsídio de férias aos reformados e pensionistas da função pública foi feito, tal como pediu o Tribunal Constitucional, mas os acertos relativos ao IRS levaram uma boa parte do montante. Há casos de redução da ordem dos 80%. 

Noutros casos, o corte é da ordem dos 45%, como aconteceu a Maria do Rosário Gama, presidente da Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRE). 

“Na minha folha de vencimento tenho 15 parcelas de desconto. Três para ADSE, nove para o IRS e três para a contribuição extraordinária de solidariedade”, descreve àRenascença. A estas acresce uma quota de sobrevivência, o duodécimo e o retroactivo.

A presidente da APRE acusa o Governo de estar a retirar aos reformados o que foi devolvido pelo Tribunal Constitucional. 

“É uma violência” 
A Federação Sindical da Administração Pública (FESAP) considera violentos os efeitos dos acertos no IRS no subsídio de férias que pensionistas e funcionários públicos recebem este mês.

“Vão ser os trabalhadores a pagar, mais uma vez, a pagar os erros do Governo ao receberem menos subsídio de férias agora no Natal por consequência do IRS. Os trabalhadores vão ter de pagar, desde Janeiro até agora, o diferencial do IRS numa tabela que foi concebida para 13 salários e agora vão receber 14 e, portanto, há casos em que as pessoas perdem 200, 300 e 400 euros, o que é uma violência”, afirma àRenascença o dirigente José Abraão. 

De acordo o bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, Domingues Azevedo, um trabalhador pode ter, em média, uma redução de 35% no subsídio de férias, por força do acerto do IRS.

O presidente da Associação Nacional de Sargentos garante que estes profissionais perdem mais de 20%. António Lima Coelho fez as contas para a Renascença. “Se retirarmos dos vencimentos que levamos para casa o valor dos duodécimos verificamos que, afinal, os cortes que nos vêm fazendo são muito superiores à realidade dos factos. Por outro lado, se multiplicarmos por 12 o valor que recebemos de duodécimo de Natal verificamos que fica muito longe daquilo que seria o real valor de um subsídio de Natal recebido por inteiro.

Lima Coelho acrescenta que "agora, com esta questão do subsídio de férias em Novembro, tem variações, naturalmente, de acordo com os vários patamares mas relativamente àquilo que são perdas na categoria de sargentos rondarão sempre os 20% ou acima dos 20%. Para além do corte de valor efectivo tem depois estes acertos todos para trás”.

O subsídio de férias é pago este mês aos funcionários públicos e aos pensionistas. 

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 22:48 | comentar | favorito