«Novo corte nas pensões de reforma é mais um atentado grave»

Todas as pensões por reforma acima dos 1.500 euros vão sofrer corte entre 3,5% e 10%

O novo corte nas pensões de reforma, anunciado esta terça-feira pelo Governo, é mais um «atentado grave à vida e ao bem-estar» destes cidadãos, criticou hoje o presidente do Movimento Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos (MURPI).

Todas as pensões por reforma, acima dos 1.500 euros, vão sofrer no próximo ano um corte entre 3,5 e 10 por cento, de forma progressiva, tal como já sofrem os vencimentos dos funcionários públicos.

A medida foi anunciada esta tarde pelo ministro das Finanças e soma-se ao corte dos subsídios de férias e de Natal, para reformados e pensionistas, que se manterá em vigor em 2013.

«As medidas adicionais anunciadas hoje são mais um roubo e vêm agravar as medidas anunciadas na sexta-feira pelo primeiro-ministro - que constituem só por si um grave atentado à vida e ao bem-estar dos reformados», afirmou à Lusa Casimiro Menezes.

No entender do presidente do Movimento Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos, trata-se de mais «um roubo sem precedentes» aos rendimentos dos pensionistas e reformados, que vai agravar ainda mais a «catástrofe social» em que muitos já se encontram.

«Os fenómenos de miséria e pobreza vão continuar a aumentar», vincou Casimiro Menezes.

O presidente do MURPI adiantou que aquela entidade vai reunir-se já, na sexta-feira, para «analisar a situação», estando também marcada para 14 de outubro uma conferência em que estes e outros assuntos serão debatidos e onde será tomada uma «posição firme».

Luís Morais Sarmento, secretário de Estado do Orçamento - que falava durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados da quinta avaliação do programa da troika - adiantou que estes cortes serão feitos à semelhança do que já acontece nos vencimentos dos funcionários públicos, que sofrem cortes salariais, sempre que o seu rendimento bruto seja superior a 1.500 euros, e que podem atingir os 10 por cento.

Esta medida, explicou o governante, estava prevista no memorando inicial, mas «não foi aplicada porque se previu nessa altura a redução do décimo terceiro e décimo quarto meses», avançando agora em cumprimento do inicialmente acordado.

A medida, no entanto, já tinha sido incluída no chamado PEC IV, o último programa de medidas apresentado pelo Governo de José Sócrates, na altura pelo então ministro das Finanças, Teixeira dos Santos.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 00:33 | comentar | favorito